Samstag, Februar 14, 2009

O ritual do eterno

Há um ano atrás:

Ventos balançavam os cabelos do casal. Eles dançavam ao ritmo dessa ventania marítima como se fosse um ritual. Croissants e cafés entre beijos. Cigarros. "Isso um dia ainda vai te matar"; dizia ele. Ela ria e desdobrava a fumaça de seus pulmões na face do amado, uma provocação amorosa que logo levava-os para a cama.



Parece que nunca mais ventou. Ela se recostava no banco do ônibus sem bem saber porquê tinha pego o ônibus. Não estava preocupada, pois nunca há preocupações depois do fim. Olhou para o lado e viu um bebê. Quis chorar, mas riu para a criança, e esse misto de lágrimas e riso a fez parecer ainda mais bonita. Dizem por aí que não há nada como a beleza de um mártir.
Pintou as unhas, depilou as pernas, deu o último trago no cigarro e entrou num banho morno. Vestiu-se, maquilou-se com cuidado e fechou a porta rumo à igreja. Aquela cidade era muito pequena, não havia vento, ou, parecia que o vento tinha se enraivecido da cidade e resolvera nunca mais voltar. Ela tentava equilibrar as sandálias naqueles milhões de paralelepípedos. Mas já estava feito. Talvez fosse culpa dos paralelepípedos, talvez.
Era arroz para todo o lado, os noivos saíam de braços dados da igreja. A noiva com um sorriso rasgando-lhe a face e criando dois pés-de-galinha, o noivo com um sorriso que mais parecia uma interrogação. Se o padre tivesse esperado... Se ela pudesse responder a pergunta: " Fale agora ou cale-se para sempre!". Não pôde ao menos escolher, calou-se, portanto.
Escondeu-se atrás do poste e observou o movimento. Pra quê dissimular a amargura? Ela estava estampada em seu rosto, e o desgosto quase fez seu corpo desfalecer. E se todos vissem esse estado, poriam as mãos no rosto e desesperados perguntariam como um rosto tão malogrado, tão choroso, suplicante e envolvido por pura dor, poderia ser tão lindo, tão iluminado. Uma obra de arte que uma das maldades que a vida traz pintou. Caiu de joelhos, o paralelepípedo lhe ralou.
No dia seguinte, de tardezinha, arrastou-se da cama do hotel. O mesmo vestido, a mesma maquiagem, olhos esfumaçados pelo lápis de olho. Saiu pela rua. Ele estava no barzinho da esquina, a noiva ficara em casa arrumando as panelas. Parou na direção dele. Quando ele olhou, não acreditou. O mesmo vestido indiano bordado, com decote até o umbigo. Os cabelos estavam mais longos, o rosto ainda respirava uma inocência que não existia. Sorriu derrotada. Um amigo chegou, postou-se diante dele tirando-lhe a atenção por alguns segundos. E, de repente, ela não estava mais lá, e em nenhuma parte da rua.
Ele esfregou as mãos na face sentado. Uma fumaça de cigarro invadiu seu rosto, era seu amigo sem querer. Teve vontade de chorar. Como milagre, ventou forte e ainda por cima com cheiro de maresia. Ele olhou para o nada com os cabelos bagunçados. Ela, há muitos metros, teve o vestido sacudido pelo vento. Cigarro, vento, amor: ritual do eterno.

Kommentare:

more one marketing's game. hat gesagt…

Caralho, esse foi a melhor crônica que eu já li aqui uma das melhores em todos os blogs que eu já tenha visitado. *-*

Ciciliatti hat gesagt…

Que CARALHO!
Ana, você tem potencial, sua, sua.. boemia ♥

Igor Salton hat gesagt…

Excelente

Flávia V. hat gesagt…

Esse e outros textos seus me inspiram. Está excelente, Fell.