Samstag, März 28, 2009

How to disappear completely

That there, that's not me...


Tinha dormido com a sensação de corpo estranho. Mas estranho era aquele céu cinza-alvejado-brilhante, sem dúvidas. E mais estranho ainda era encarar aquele céu tão feio e que quase me cegava, sendo que não havia vento, ou melhor, até o vento era abafado.
Anteontem acordei saturada. Não que seja uma grande novidade eu estar completamente insatisfeita com tudo, mas incomodava. Da saturação originou-se a tristeza, da tristeza um certo desgosto, do desgosto uma raiva que não veio de mim. Foi inserida por outrens, e mal inserida. O que eu ainda não sabia é que a raiva provocava risos. Ou ainda, que ela fosse tão forte ao ponto de estragar minhas veias. Entretanto, metaforicamente, a substância branca que passeava entre minhas veias transportou o que eu tinha esquecido naquelas horas para meus queridos: dor.
Hoje acordei e basta, tão-só. O céu continua cinza-alvejado-brilhante e a saturação foi substituída pela vergonha de ter percebido que sou tão amada e tão querida por amigos que não tenho o direito de desintegrar, pelo menos não tão visivelmente. Eu sinto muito e como diria Kírilov : "Está tudo bem."

Kommentare:

Flávia V. hat gesagt…

Você é muito especial, querida ♥

Mayara Reis hat gesagt…

- Nunca mais, NUNCA mesmo, volte a fazer isso. v