Samstag, März 04, 2006

Eu,Christiane F,13 anos,drogada,prostituída....


Um dos filmes nem tão famosos,talvez por ser um pouco antigo,ou,simplesmente pela maioria dos jovens e adultos quererem continuar se alienando.A história é verídica,baseada na vida de Christiane Vera Felscherinow,que teve a sua vida desgraçada por ser filha de um monomaniaco,que abandonou por completo a família.Depois disto a mãe de Christiane se mata de tanto trabalhar,e assim, Christiane começa a fazer o que quiser sem a mãe saber,coisas do tipo,fumar cigarros,cometer pequenos roubos,isso até os 12 anos.Aos 13,ela começa a se envolver com uma turma,onde encontra uma família de verdade.Freqüenta discotecas,aonde se vicia em heroína junto com o namorado,Detlef.Depois da morte da melhor amiga,Babsi,que morreu aos 14 anos virando manchete em todos os jornais em Berlim,de se prostituir para poder sustentar seus vícios e de ser presa inúmeras vezes,Christiane é levada pela mãe para o interior...lá se recupera e sai do vício da heroína.Hoje aos 40 e tantos anos,ela tem Hepatite C,um filho e muitas contas á pagar,mesmo depois te ter ganho muito dinheiro com o livro e o filme sobre a sua vida.
O que Christiane tinha a dizer e o que o prefácio do livro queria,não teve por objetivo cumprido.A mensagem que Christiane gritava era,que os jovens daquela época necessitavam de ajuda.De que quando falavam: Deixe me em paz! Era na verdade um pedido de socorro.Mas a recepção da fria sociedade alemã era: Se vicie no que quiser,apenas deixe nossas vidinhas em paz.
O ódio de Christiane á esses costumes ficam evidente quando interrompe uma aula de Ciências dizendo:
- O que? Meio ambiente?Mas meio ambiente não é as pessoas aprendendo a conviver com as outras?Ao invés disto,é um tentando ser melhor que o cara do lado,nesta escola fodida!

Cabe dizer também que ela encontrou muitas dificuldades quando se recuperou do vício,como por exemplo ser posta numa escola secundária mesmo sendo muito inteligente,apenas por ser uma ex prostituta drogada.
Nossa sociedade não mudou uma vírgula,Chris.

Kommentare:

dimmy hat gesagt…

Adoro a Chris! Adoro a maneira como ela se relaciona com o seu vício. Ela sempre foi uma pessoa inteligentíssima e muito lúcida! Sou fã dela. E da dona do blog também, rsrsrsrsr

dimitri. hat gesagt…

"Um dos filmes nem tão famosos,talvez por ser um pouco antigo,ou,simplesmente pela maioria dos jovens e adultos quererem continuar se alienando."

ou talvez pq queiram os jovens (e as jovens) e os adultos (e as adultas) nesse estado de alienaçao. eh mais pratico para manter condutas macro-economicas e politicas micro-pessoais-politicas.

ou tb por ser um pessimo filme. mt mal feito, roteiro adaptado de forma tosca (pra qem leu o livro, isso fica claro - pelo menos eu achei mt mal adaptado), e pessimas atuaçoes. qem salva o filme eh a mumia do Bowie, numa apariçao (in)feliz.

no livro, christiane deixa claro q sua infancia era uma bosta nos condominios a la "lecorbusier" - seu funcionalismo q de tao funcional eh quase anti-humano. e essa urbanidade eh uma expressao de uma necessidade do modo de produçao vigente, uma necessidade de encaixar as coisas, mas uma necessidade tb q nao será satisfeita. humanidade eh dificil de encaixotar, linhas de fuga estao sempre no horizonte (e no verticonte tb, e na diagnonte - pq nao?). mas por favor nao confunda essa analise com uma analise comunista. pensar a economia como a relaçao de produçao do homem (e da mulher) com a natureza nao eh coisa de comunista. eh ali q a humanidade se faz a si mesma, ali no meio como ela se dá com sua sobrevivencia. muitos e muitas ja nem sabem o q eh sobreviver sem a mediaçao do dinheiro. eh engraçada essa situaçao. enfim, outro dia eu poderia pensar mais, mas hj estou com preguiça, sono, e sem tempo... talvez vc me agradeça por pensar menos, provavelmente vc sinta um cheiro ruim, e prefira q eu nao pense. ok.